quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Na onda do blog

Cleuzeli Mendes

É... tudo começou assim: você acessa aqui, clica ali, cria uma conta.
− Chiiiii, conta? Mas... que conta? O que não me falta são contas: água, luz, telefone,internet,etc, etc. Não me venha falar em contas!!!
O desespero é total!
− Não peça ajuda ao marido!
− Marido, conta, tudo a ver... Ah! Aí é que entra o marido!
− No blog?
− Não, na conta, no pagamento dessa tal conta.
Mas vamos ao que interessa, a conta do Blog, fazer um Blog, certo?
Blog, essa palavrinha soa molenga, esparramado, desanimado... com preguiça! E preguiça pode ser algo bom, se você tem tempo para descansar ou se esparramar feito um Blooooog, caso contrário é preocupante, coisa de gente sem atitude, é crônico!
E por falar em crônico, como já disse Ivan Ângelo: o cronista não se acha. Embora eu não seja uma cronista nata, estou perdida... tentando dar um final para essa minha... crônica.
Lembra? Fazer, criar, tomar gosto por uma crônica é como deliciar um pedaço de queijo?! Desculpem, mas tenho que jantar...
Diferente de Rubem Braga, não tenho duzentas crônicas engraçadinhas ou tristes, interessantes ou... para escrever, mas ainda tenho forças para dizer que vocês tenham uma boa noite (Afinal, esse momento é noite aqui em minha casa!)
Ah! Já ia me esquecendo, criei o meu Blog. A conta está paga!!!!

Sobre a autora:



Cleuzeli Mendes de Souza Pereira, filha, mãe, esposa, professora do ciclo I na Escola Delmira de Oliveira Lopes, desde 1988 (apaixonada por tudo o que faz e por essa escola). Nasceu em Tapira, no Estado do Paraná, a 12 de setembro de 1968.
Seu sonho era ser bailarina, mas teve na figura de sua professora primária o exemplo a seguir. Aos 9 anos mudou-se para Americana. Aos 16, iniciou o curso de magistério na Escola Estadual de 1º e 2º Graus João XXIII. Aos 18 anos, fez um curso de curta duração de atendente de enfermagem para trabalhar no Hospital São Francisco (valeu a experiência!). Ficou pouco tempo, o dom era outro (descobriu sua aversão a sangue).
Depois de formada no magistério, no ano seguinte, ingressou no serviço público. Em 1989, iniciou o curso de pedagogia no Instituto de Ciências Sociais de Americana (atualmente Unisal incentivada por uma colega do magistério, Vera Lúcia Cândido, que hoje é diretora de escola.
Na época da faculdade, tinha como hobby a participação em desfiles, fazia um curso de manequim, aos sábados, e se deliciava com os eventos, além de fazer dança. É mãe da Bárbara,9 anos e do Gustavo, 3 anos e 6 meses(maravilhosos!) e esposa do Paulo Sérgio.
Dedicada, detalhista, tímida, persistente e ansiosa quando se trata de mediar seus alunos na construção de seus saberes (professora alfabetizadora por 11 anos), atualmente com uma 3ª série do ciclo I.

11 comentários:

  1. Oi, Maravilhosa!
    Foi tão bom formar dupla com você, mas foi tão pouco. Ah, se eu soubesse que você era tão criativa assim, não teria saído de seu lado, rs.
    Adorei sua crônica e biografia. Parabéns. Arlete

    ResponderExcluir
  2. Adorei!
    Se melhorar, você vai deixar muito cronista famoso sem emprego; e aí, como eles vão pagar a conta? Rsrs...
    Se para criar um blog resultou em tudo isso, imagine para algo mais complexo... tem certeza de que não é cronista nata?
    Beijos!
    Edilene.

    ResponderExcluir
  3. Oi colega, adorei sua crônica achei muito bonita e criativa.Parabéns. Ângela Boreli

    ResponderExcluir
  4. Olá, para quem dizia que era difícil produzir uma crônica, parabéns, adorei, bem criativa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá, muito legal sua crônica, o curso está fazendo uma grande diferença para nosso aperfeiçoamento. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Aparecida Elizabete G. R. de Oliveira23 de setembro de 2009 11:58

    Gostei muito da crônica, inclusive o jeito que você descreve a dificuldade e a confusão que muitas pessoas tem com essas novas tecnologias, foi escrita dum jeito muito diferente e descontraído. Muito bom!

    ResponderExcluir
  7. Vou tirar o chapéu. Crônista nata. Amei sua crônica e a maneira simples e debochada como a criou. Continue assim, que logo teremos um livro de crônicas de Cleuzeli.

    ResponderExcluir
  8. Oi poderosa, necessária, chiquérrima, ai que inveja, mas com certeza vc mereceu tantos elogios. Incrível a criatividade no seu texto, adorei a preguiça na palavra blooog!!!!

    ResponderExcluir
  9. Olá amiga,você foi muito criativa e pelo visto leva jeito pra cronista.Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Oi Cleuzeli, amei sua crônica, você é uma cronista de primeira, já pensou em ser cronista de profissão? Garanto que fãs de carterinha não vão faltar.....Realmente você escreve muito bem. Parabéns!
    Abraço Carol

    ResponderExcluir

Não esqueça de comentar...