quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Bichos domesticados

Sheila Vido Lima

Tenho dois cachorros: Julie e Pingo. Em minha casa, são tratados como se fossem duas pessoas da família. Toda manhã, quando eles acordam comem queijo, e retornam à cama para dormir. Dormem. Depois de um tempo, saem para passear com a Carmem, a mãe adotiva dos animais. Passeiam durante 30 minutos, fazendo suas necessidades e olhando a paisagem das ruas.
Voltam para casa, tomam água e os dois retornam à cama para dormir.
A cada ano, tomam suas vacinas e, também, vão ao dentista, para cuidar dos dentes e evitar que eles fiquem doentes.
Todo sábado, a mãe adotiva, Carmem, dá banho nos dois. Eles ficam limpinhos e perfumados para usarem suas roupas.
Bom, é uma tremenda mordomia: eles almoçam na hora certa e são cuidados como gente. Nem todas as pessoas têm esse mesmo carinho e cuidado. Muitas são maltratadas, espancadas, e até passam fome.
Ah! Eu já ia me esquecendo: Julie e Pingo dormem juntos na cama. Os dois roncam como crianças. E sonham. Vocês precisam ver: são duas pessoas dormindo. Outra coisa, Julie é terrível. Adora brincar e dar pequenas mordidinhas no nariz. Já, o Pingo, gosta de chamar a atenção, chorando ou latindo, para que a dona o pegue no colo.
Meus cachorros são parecidos demais comigo. Eles sabem muito bem o que é o amor e o carinho.

Sobre a autora : Sou Sheila Vido Lima, Professora na Rede Estadual. Atualmente, leciono na Oficina Curricular de Hora da Leitura e, também, trabalho no Programa Escola da Família. Adoro ler e passear.

(Nota da mediadora: A cronista pretende especializar-se na escrita de crônicas relacionadas a temáticas que envolvem o universo infantil.)


Crônica escrita com base na reportagem "Nossa Família Animal", publicada na revista VEJA - Edição 2122 de 22/07/2009.
Quer saber mais? Clique no título da crônica (ou copie e cole a URL em seu navegador da Internet: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia-tecnologia/nossa-familia-animal-485261.shtml)

7 comentários:

  1. Aparecida Elizabete G. R. de Oliveira23 de setembro de 2009 12:02

    Realmente, eles venceram! Em muitos lares os animais de estimação são mais bem tratados que muitas crianças desse país, esses bichos até contam com assistência médica e odontológica, coisa que falta para milhares de pessoas por todo o Brasil. Parabéns, dá pra refletir muito lendo sua crônica.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, querida, eu também tenho meus cachorrinhos em Guzolândia e são tratados como membros da família.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Mas que a crônica ficou meiga, ah... ficou!
    Digna de reflexão, mas interpretei-a com doçura!!!
    Abraços!
    Cleuzeli

    ResponderExcluir
  4. Os animais são melhores tratados no nosso país do que nossas crianças. Até chip para localização... Pergunte se nossas crianças têm alguma segurança a ponto de conseguirmos localizá-las quando perdidas. Nossos animais venceram todas as barreiras e são melhores inclusos na sociedade. Parabéns pela crônica.

    ResponderExcluir
  5. Bom sou suspeita em falar adoro os animais, amo de paixão.

    ResponderExcluir
  6. Adorei sua cônica, tenho um cachorinho que para mim é como um filho, faço tudo por ele, pois ele merece.

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito da crônica pois tenho tres pimpolhas,que fazem parte da familia.

    ResponderExcluir

Não esqueça de comentar...